Linha do Douro vai continuar interrompida por mais um mês

As obras no troço Caíde – Marco deveriam estar concluídas em 26 de Fevereiro, mas só em Abril haverá comboios a passar. Trabalhos vão prolongar-se até Maio.

Foi em 27 de Julho, em cerimónia presidida pelo então ministro Pedro Marques, que a Infraestruturas de Portugal consignou a empreitada para a modernização do troço Caíde – Marco na linha do Douro. O prazo de execução era de 215 dias e previa que a linha estivesse interrompida três meses (Dezembro, Janeiro e Fevereiro) para se fazerem obras no túnel de Caíde.

Se tudo corresse bem, no dia 26 de Fevereiro aquele troço de 15 quilómetros deveria reabrir com comboios eléctricos a circularem directamente do Porto até Marco de Canavezes.

Mas em Portugal o normal é as obras ferroviárias atrasarem-se e esta não foi excepção. Os trabalhos no túnel vão prolongar-se por mais um mês, obrigando a CP a manter o serviço de transbordo rodoviário entre Caíde e Marco. Mas, mesmo quando o troço reabrir, vão continuar a circular comboios a diesel por mais uns meses porque a electrificação ainda não estará terminada.

A empreitada desta modernização foi adjudicada por 10 milhões de euros a um consórcio formado pela Opway, Promorail, DST, DTE e Alstom.

Na apresentação realizada em Julho, em Marco de Canavezes, a Infraestruturas de Portugal justificava o encerramento da linha com dois motivos: “menor prazo de execução (antecipação da conclusão em cerca de cinco meses) e menor custo da empreitada (redução de 40% face à estimativa inicial”.

A empresa respondia assim aos autarcas da região que discordaram de uma solução que cortava ao meio a linha do Douro, deixando um troço aberto entre Porto e Caíde e outro, isolado do resto da rede ferroviária, entre Marco e Pocinho. Esse isolamento ainda é maior porque a CP aproveitou para reduzir a oferta neste troço em mais de 50%, mantendo para a Régua uma espécie de “serviços mínimos” com apenas seis comboios em cada sentido (antes do encerramento eram 13 em cada sentido).

As vicissitudes do troço Caíde – Marco já vêm detrás e remontam a 2009 quando a então secretária de Estado dos Transportes, Ana Paula Vitorino, anuncia um investimento de 70 milhões de euros para a modernização deste troço. O projecto seria suspenso no ano seguinte e em 2014 é lançado um concurso público para uma obra mais modesta (6,4 milhões de euros) que contemplava apenas a electrificação da linha e instalação de sinalização automática.

Três anos depois, as obras param. Devido a problemas financeiros, o empreiteiro – o consórcio espanhol Isolux Corsan – não consegue realizar as obras e a Infraestruturas de Portugal acabaria por lançar novo concurso público que culminaria na consignação à Opway da actual empreitada de 10 milhões de euros.

Contactada pelo PÚBLICO, a Infraestruturas de Portugal diz que “desta situação, que apenas foi susceptível de identificar com o desenvolvimento da obra, foi já dado conhecimento aos operadores ferroviários, autarquias e associações de utentes e empresariais da região”.

https://www.publico.pt/2019/02/22/economia/noticia/linha-douro-vai-continuar-interrompida-mes-1862915

2019-03-19

Descubra todas as novidades da freguesia

Meinedo: um pedaço da história de Portugal

 

Meinedo: um pedaço da história de Portugal
2019-04-18
Meinedo é a segunda maior freguesia e a mais antiga do concelho de Lousada, com 8,43 km2, e é um...
LER MAIS
Meinedo: um pedaço da história de Portugal

 

Confraria do Bazulaque de Magneto apresentou traje e medalha
2019-04-18
Decorreu, no sábado, nas instalações da Associação de Desenvolvimento e Apoio Social de Meinedo,...
LER MAIS
Meinedo: um pedaço da história de Portugal

 

Linha do Douro vai continuar interrompida por mais um mês
2019-03-19
As obras no troço Caíde – Marco deveriam estar concluídas em 26 de Fevereiro, mas só em Abril...
LER MAIS
Política de Privacidade e Segurança

Respeitamos a sua privacidade e agradecemos a confiança que deposita em nós. Nesta Política de Privacidade explicamos para que finalidades podemos usar os seus dados, como os tratamos, com quem os partilhamos, durante quanto tempo os conservamos, bem como as formas de entrar em contacto connosco e de exercer os seus direitos.

Os seus dados serão tratados pela Junta de Freguesia, NIF 507 643 593, com sede na Rua de Santo Tirso, nº 74, 4620-848 Meinedo.
Esta Junta de Freguesia é a responsável pelo tratamento de dados pessoais no cumprimento do Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados.
Para as questões relacionadas com o tratamento dos seus dados pessoais deverá contactar-nos através do seguinte email: junta@jf-meinedo.pt

O que são dados pessoais


Informação relativa a uma pessoa singular identificada ou identificável (“titular dos dados”); é considerada identificável uma pessoa singular que possa ser identificada, direta ou indiretamente, em especial por referência a um identificador, como por exemplo um nome, um número de identificação, dados de localização, identificadores por via eletrónica ou um ou mais elementos específicos da identidade física, fisiológica, genética, mental, económica, cultural ou social dessa pessoa singular (Artigo 4º n.º 1 do RGPD).


Por quanto tempo tratamos os dados pessoais


Os dados serão conservados durante o período necessário para a observância dos propósitos para os quais foram recolhidos. No entanto, em determinados casos poderemos conservar os dados durante períodos mais longos, nomeadamente quando a legislação e vigor o determinar.

Os dados serão mantidos de acordo com prazos determinados na legislação aplicável consoante a natureza do pedido.

Sempre que não exista determinação legal, os dados são tratados apenas pelo período considerado necessário para o cumprimento da finalidade que motivou a recolha.


Quais os seus direitos, enquanto Titular dos dados pessoais


Direito de ser informado

Permite que seja informado quanto:
• quais os dados a serem tratados
• quem é o responsável de tratamento e respetivo contacto,
• finalidades e prazo de conservação
• os direitos e a forma como pode exercê-los

Estas informações devem ser prestadas, no momento da recolha dos dados, junto do seu titular.

Direito de acesso à informação que mantemos sobre si.

Tem o direito, a obter a confirmação de que os dados que lhe digam respeito, são ou não objeto de tratamento, se os dados foram transmitidos para outra entidade ou o destino que lhes foi dado.

Direito de retificação da informação caso esteja inexata ou incompleta

Tem o direito a que a Junta de Freguesia, sem demora injustificada, retifique os dados desatualizados, inexatos ou incompletos.
No caso do responsável pelo tratamento dos dados ser uma entidade da Administração Pública, este direito é, simultaneamente, um dever por parte do administrado de manter atualizados os seus dados.

Direito ao apagamento dos seus dados pessoais

Tem o direito de solicitar á Junta de Freguesia o apagamento dos seus dados, que tem a obrigação de os apagar, dentro das limitações estabelecidas por lei quando se aplique, designadamente, um dos seguintes motivos:

a) Os dados se revelem desnecessários para a finalidade que motivou a sua recolha ou tratamento;
b) Retirou o seu consentimento para o tratamento de dados (nos casos em que o tratamento é baseado no consentimento) e não existe outro fundamento para o referido tratamento;
c) Opõe-se ao tratamento e não existem interesses legítimos prevalecentes que o justifiquem.
d) Quando os dados pessoais tenham sido tratados de forma ilícita.

Direito à limitação do tratamento dos seus dados pessoais

Tem o direito de solicitar á Junta de Freguesia a limitação do tratamento dos seus dados se se aplicar, designadamente, uma das seguintes situações:
a) Contestar a exatidão dos dados pessoais, durante um período que permita á Junta de Freguesia verificar a sua exatidão;
b) O tratamento de dados for lícito e o titular se opuser ao apagamento dos dados pessoais e solicitar, em contrapartida, a limitação da sua utilização;
c) A Junta de Freguesia já não precisar dos dados pessoais para fins de tratamento, mas esses dados sejam requeridos pelo titular para efeitos de declaração, exercício ou defesa de um direito num processo judicial;
d) Se tiver oposto ao tratamento, até se verificar que os motivos legítimos do responsável pelo tratamento prevalecem sobre os do titular dos dados.

Direito de Portabilidade dos dados

Tem o direito a solicitar á Junta de Freguesia, os seus dados pessoais, num formato de uso comum.
Nos casos em que o tratamento depende do seu consentimento, tem direito a retirá-lo.

Se o consentimento for legalmente necessário para o tratamento de dados pessoais tem o direito de retirar consentimento a qualquer altura, embora esse direito não comprometa a licitude do tratamento efetuado com base no consentimento previamente dado nem o tratamento posterior dos mesmos dados.


Como pode exercer os seus direitos


Para exercer qualquer um destes direitos, poderá fazê-lo presencialmente no balcão único de atendimento ou através do e-mail: junta@jf-meinedo.pt

A resposta aos pedidos deverá ser prestada no prazo máximo de 30 dias.

A autoridade de controlo é a Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD), com sede na Rua de São Bento n.º 148-3º 1200-821 Lisboa, também disponível em https://www.cnpd.pt/.


Como protegemos os seus Dados

Respeitamos também a confidencialidade da sua informação e assumimos o compromisso de manter a sua informação confidencial de acordo com esta Política de Privacidade e legislação aplicável.

Política de Privacidade poderá ser objeto de alteração a todo o tempo, sendo qualquer alteração divulgada e atualizada no site.


Responsabilidade sobre serviços e websites terceiros


Este website pode conter ligações a outros websites sobre os quais a Junta de Freguesia não exerce qualquer controlo, nem é responsável pelo seu conteúdo. A inclusão de ligações a outros websites é feita unicamente como referência informativa e sem nenhum tipo de opinião sobre os conteúdos, proprietários, serviços ou produtos oferecidos.

O conteúdo deste website não pode ser total ou parcialmente integrado na estrutura de qualquer outro website sem a expressa autorização da Junta de Freguesia.

Política de Cookies
COMO UTILIZAMOS AS COOKIES

As cookies são utilizadas para melhorar o nosso serviço. Algumas das cookies são essenciais para garantir as funcionalidades disponibilizadas, enquanto outras são destinadas a melhorar o desempenho e a experiência do utilizador.

As cookies funcionais destinam-se a:
- garantir que a sua ligação é segura
- garantir que o sítio web é mostrado de forma consistente


As cookies de desempenho destinam-se a:
- melhorar o desempenho do sítio web reduzindo o número de loads das páginas que visita
- melhorar a experiência do utilizador

As cookies de segmentação destinam-se a:
- permitir que partilhe e goste nas redes sociais
- enviar informação a outros sítios web para personalizar a publicidade mostrada.


EXEMPLOS DE UTILIZAÇÃO DAS COOKIES

As cookies são utilizadas para melhorar o serviço que lhe é prestado, como por exemplo:
- possibilitar a utilização de alguns serviços como o pagamento, que não seria possível sem as cookies
- permitir que um serviço reconheça o seu dispositivo para que não tenha de fornecer constantemente os mesmos dados
- reconhecer que já forneceu um nome de utilizador e palavra-passe quando ligado à área de cliente para que não tenha de o fazer sempre que consulta uma página
- contabillizar quantas pessoas estão a utilizar um serviço, permitindo assim garantir que a utilização é rápida
- analisar dados que nos permita saber como utiliza os serviços para que os possamos melhorar

Se não permitir que o sítio web utilize cookies, algumas páginas e funcionalidades não vão funcionar como esperado. Como exemplo, não poderá utilizar a lista de compras.
Se deseja apagar as cookies que já se encontram no seu computador, consulte a secção de "Ajuda" do seu navegador de internet.
Poderá ainda saber mais informações sobre cookies e como as gerir no sítio http://www.aboutcookies.org (Inglês) ou consulte a secção "Ajuda" do seu navegador de internet.